Receitas tradicionais

O sonho de um Nite Owl: Binghamton encontra Chick-N-Bap

O sonho de um Nite Owl: Binghamton encontra Chick-N-Bap

“Chick-N-Bap” Ele me disse animadamente.

“Ele” sendo Sung Kim, o fundador do primeiro serviço de jantar administrado por estudantes de Binghamton fez parceria com o serviço de jantar de Binghamton, Sodexo.

Como um SUNY, muitos alunos se identificam com a “iguaria” da madrugada que é frango e arroz; um grampo para estudantes familiarizados com o famoso 53º e 6º carrinho de comida de Manhattan. Aqueles que estão cientes deste canto popular, com linhas se formando mesmo durante a manhã dos insones de Manhattan, sabem que frango e arroz é muito mais do que apenas frango servido com arroz. Está confuso?

Foto de Han Shi

“É tudo uma questão de experiência.” Sung explica: “Eu empurrei os mesmos recipientes circulares de alumínio que os Halal Guys originais (53º e 6º), bem como a pita na lateral.”

Como qualquer frequentador de restaurante sabe, a experiência e a atmosfera por si só conferem seu próprio sabor a qualquer prato. Para um prato portátil como o Chick-N-Bap, Sung queria ter certeza de que ainda mantinha a autenticidade de sua origem em Manhattan.
“Minha principal preocupação é que as pessoas o comparem ao original e esperem que seja o mesmo. Claro que não vai ter o mesmo gosto. O frango da minha receita é marinado de forma diferente, com mais cor. ”

E quando questionados sobre o infame (por ser insanamente delicioso) molho branco?

“Foi complicado, mas finalmente consegui entender. Na minha opinião, meu molho tem um gosto melhor. ” Ele disse com um sorriso orgulhoso.

Faz sentido que essa criação exija orgulho, especialmente depois do árduo processo pelo qual Sung passou para tornar esse sonho realidade. Ele usou sua experiência culinária como chef de linha para um restaurante local perto do campus, bem como sua vantagem educacional de estar no programa da Escola de Administração de Binghamton, para ser capaz de lançar suas ideias e criar o que antes era uma ideia.

Como surgiu essa ideia? Sung se lembra de uma daquelas noites típicas de faculdade, relaxando com seus amigos e ansiando por um gostinho de casa. Ele raciocina que, se tantos alunos da SUNY anseiam por "comida para beber em Manhattan" (como ele a chama), por que não oferecer algum tipo de experiência semelhante?

Esta entrevista aconteceu poucas horas antes da inauguração do Chick-N-Bap, servido dentro do horário do Nite Owl do Hinman College. Na minha frente estava um pacote de nervosismo e empolgação, cuidadosamente embrulhado com uma camisa social e gravata.

“Ver o que escrevi na linha B me fez pensar 'Uau ... isso está realmente acontecendo ...' É uma sensação boa ver tudo pelo qual você trabalhou finalmente tomando forma.” Sung exclama, com a boca incapaz de resistir a um grande sorriso, e seus olhos se voltando para cima em um vislumbre do futuro Sung das 21h, apresentando sua criação ao campus ao lado dos co-fundadores Christian Ko e Daekwon Kim.
Para adicionar à experiência da famosa refeição noturna de Manhattan, o Chick-N-Bap ainda teve a genuidade de esperar na fila. O primeiro fim de semana vendeu bem acima do esperado, forçando-os a fechar apenas algumas horas antes da inauguração.

A criação do Chick-N-Bap prova que o sucesso é tão tangível e comestível, como você pode imaginar que seja.

Alunos famintos fazendo fila no Hinman Nite Owl | Foto de Han Shi

O post A Nite Owl’s Dream: Binghamton Meets Chick-N-Bap apareceu originalmente na Spoon University. Visite a Spoon University para ver mais postagens como esta.


Este ajuste do sono pode ajudá-lo a se preocupar menos

Você é um preocupante crônico? A hora em que você vai dormir e a quantidade de sono que você está recebendo no geral podem exacerbar sua ansiedade, de acordo com um novo estudo publicado na revista Terapia Cognitiva e Pesquisa.

A grande notícia aqui? Ajustando seus hábitos de sono, você pode realmente ajudar a se preocupar menos. Sério.

Pesquisadores da Binghamton University, em Nova York, usaram os resultados de questionários e duas tarefas computadorizadas de um grupo de 100 jovens adultos para medir a quantidade de sono, bem como o quanto cada um dos participantes fala sobre medo e preocupação.

Depois de analisar os dados transversais, eles descobriram que pessoas que dormem por períodos mais curtos e vão para a cama mais tarde têm maiores níveis de preocupação, ruminação e obsessão, os três fatores que contribuem para um processo denominado "pensamento negativo repetitivo".

Além disso, o estudo descobriu que aqueles que se classificam como um "tipo noturno" - o que significa que tendem a ficar acordados até mais tarde, moldando suas atividades diárias em torno de comportamentos noturnos - são mais propensos a relatar pensamentos negativos repetitivos do que aqueles que se inscrevem no programa matinal regimes diários centrados ou não aderem aos horários matinais ou noturnos.

Coautor do estudo Jacob Nota, um Ph.D. em psicologia clínica. candidato em Binghamton, diz que os cientistas ainda não têm certeza de como essas variáveis ​​estão conectadas. No entanto, aqueles afetados por transtornos de humor e ansiedade freqüentemente relatam pensamentos negativos repetitivos.

O sono pode ser uma forma de esclarecimento e regulação do pensamento.

“Sabemos que dormir o suficiente é importante para o funcionamento emocional e cognitivo”, disse ele ao Yahoo Health. “A pesquisa mostrou que enquanto você está dormindo, seu cérebro trabalha duro construindo e refinando conexões, integrando memórias e emoções e preparando você para o dia seguinte.”

Por que os que dormem tarde têm mais pensamentos negativos do que os que acordam pela manhã? “Em qualquer período de 24 horas, seu corpo o prepara para muitas tarefas diferentes, como prestar atenção, resolver problemas e regular as emoções”, diz Nota. “Você se sairá melhor se fizer essas tarefas durante o tempo em que seu corpo estiver preparado para elas.”

Quando se trata de tarefas de cronometragem, seu corpo funciona em seu próprio relógio.

Ritmos circadianos, alguém? Se você se recusar a operar de acordo com a linha do tempo do seu corpo, você pode ter um rude despertar. Literalmente.

“Por exemplo, sabemos que a maioria das pessoas consegue focar melhor sua atenção poucas horas após acordar”, diz Nota. “Parece que os processos cognitivos de alto nível, como a capacidade de inibir pensamentos e imagens, podem diminuir com o passar do dia. Portanto, os indivíduos que vão para a cama mais tarde podem estar mais propensos a experimentar esses pensamentos negativos repetitivos e ter problemas para descartá-los. ”

Existem maneiras de controlar sua mente e hábitos de sono.

Para alguns que realmente não conseguem desligar suas mentes (ou descansar muito), Nota diz que a terapia cognitivo-comportamental tem sido eficaz na redução do pensamento negativo repetitivo. A cronoterapêutica também é uma opção, que visa melhorar o sono por meio da exposição à luz, melatonina e outras técnicas de intervenção levando em consideração os ritmos circadianos naturais da pessoa.

Para a maioria, hacks simples em casa para dormir mais e se preocupar menos podem ser tudo de que você precisa.

“Pode ser útil criar uma rotina ao redor da cama e acordar que seja mantida regularmente e projetada para ser relaxante”, diz Nota. “Certifique-se também de que o seu espaço de dormir é propício para dormir - escuro, uma temperatura confortável e usado apenas para este propósito.” E se você não estiver realmente pronto para dormir, faça outras atividades em lugares diferentes (leia-se: não em seu quarto).

Restringir suas horas de sono no início pode ser uma técnica útil para obter um descanso melhor a longo prazo. “Isso é para que você não fique apenas deitado na cama com a mente acelerada e pensamentos preocupados”, diz Nota. Conforme você se cansa mais cedo com menos sono, pode aumentar progressivamente a quantidade de tempo que passa na cama todas as noites.

No geral, diz Nota, as pessoas precisam pensar sobre o sono de forma mais completa. “Não se trata apenas de quanto você recebe, quando você recebe também importa”, explica ele.

Se você não está realmente descansando à noite, está se vendendo.

“Nossas necessidades básicas - como comida, abrigo e sono - devem ser atendidas para que os indivíduos tenham a oportunidade de prosperar”, diz Nota.

Portanto, saia do computador mais cedo, desligue o smartphone e deixe seu trabalho de lado. Não poderíamos pensar em uma desculpa melhor para dar algumas piscadinhas extras do que nos preocupar menos.


Este ajuste do sono pode ajudá-lo a se preocupar menos

Você é um preocupante crônico? A hora em que você vai dormir e a quantidade de sono que você está recebendo no geral podem exacerbar sua ansiedade, de acordo com um novo estudo publicado na revista Terapia Cognitiva e Pesquisa.

A grande notícia aqui? Ajustando seus hábitos de sono, você pode realmente ajudar a se preocupar menos. Sério.

Pesquisadores da Binghamton University, em Nova York, usaram os resultados de questionários e duas tarefas computadorizadas de um grupo de 100 jovens adultos para medir a quantidade de sono, bem como o quanto cada um dos participantes fala sobre medo e preocupação.

Depois de analisar os dados transversais, eles descobriram que as pessoas que dormem por períodos mais curtos e vão para a cama mais tarde têm maiores níveis de preocupação, ruminação e obsessão, os três fatores que contribuem para um processo denominado "pensamento negativo repetitivo".

Além disso, o estudo descobriu que aqueles que se classificam como um "tipo noturno" - o que significa que tendem a ficar acordados até mais tarde, moldando suas atividades diárias em torno de comportamentos noturnos - são mais propensos a relatar pensamentos negativos repetitivos do que aqueles que se inscrevem no programa matinal regimes diários centrados ou não aderem aos horários matinais ou noturnos.

Coautor do estudo Jacob Nota, um Ph.D. em psicologia clínica. candidato em Binghamton, diz que os cientistas ainda não têm certeza de como essas variáveis ​​estão conectadas. No entanto, aqueles afetados por transtornos de humor e ansiedade freqüentemente relatam pensamentos negativos repetitivos.

O sono pode ser uma forma de esclarecimento e regulação do pensamento.

“Sabemos que dormir o suficiente é importante para o funcionamento emocional e cognitivo”, disse ele ao Yahoo Health. “A pesquisa mostrou que enquanto você está dormindo, seu cérebro trabalha duro construindo e refinando conexões, integrando memórias e emoções e preparando você para o dia seguinte.”

Por que os que dormem tarde têm mais pensamentos negativos do que os que acordam pela manhã? “Em qualquer período de 24 horas, seu corpo o prepara para muitas tarefas diferentes, como prestar atenção, resolver problemas e regular as emoções”, diz Nota. “Você se sairá melhor se fizer essas tarefas durante o tempo em que seu corpo estiver preparado para elas.”

Quando se trata de tarefas de cronometragem, seu corpo funciona em seu próprio relógio.

Ritmos circadianos, alguém? Se você se recusar a operar de acordo com a linha do tempo de seu corpo, você pode ter um rude despertar. Literalmente.

“Por exemplo, sabemos que a maioria das pessoas consegue focar melhor sua atenção poucas horas após acordar”, diz Nota. “Parece que os processos cognitivos de alto nível, como a capacidade de inibir pensamentos e imagens, podem diminuir com o passar do dia. Portanto, os indivíduos que vão para a cama mais tarde podem estar mais propensos a experimentar esses pensamentos negativos repetitivos e ter problemas para descartá-los. ”

Existem maneiras de controlar sua mente e hábitos de sono.

Para alguns que realmente não conseguem desligar suas mentes (ou descansar muito), Nota diz que a terapia cognitivo-comportamental tem sido eficaz na redução do pensamento negativo repetitivo. A cronoterapêutica também é uma opção, que visa melhorar o sono por meio da exposição à luz, melatonina e outras técnicas de intervenção levando em consideração os ritmos circadianos naturais da pessoa.

Para a maioria, hacks simples em casa para dormir mais e se preocupar menos podem ser tudo de que você precisa.

“Pode ser útil criar uma rotina em torno da cama e acordar que seja mantida regularmente e projetada para ser relaxante”, diz Nota. “Certifique-se também de que o seu espaço de dormir é propício para dormir - escuro, uma temperatura confortável e usado apenas para este propósito.” E se você não estiver realmente pronto para dormir, faça outras atividades em lugares diferentes (leia-se: não em seu quarto).

Restringir suas horas de sono no início pode ser uma técnica útil para obter um descanso melhor a longo prazo. “Isso é para que você não fique apenas deitado na cama com a mente acelerada e pensamentos preocupados”, diz Nota. Conforme você se cansa mais cedo com menos sono, pode aumentar progressivamente a quantidade de tempo que passa na cama todas as noites.

No geral, diz Nota, as pessoas precisam pensar sobre o sono de forma mais completa. “Não se trata apenas de quanto você recebe, quando você recebe também importa”, explica ele.

Se você não está realmente descansando à noite, está se vendendo.

“Nossas necessidades básicas - como comida, abrigo e sono - devem ser atendidas para que os indivíduos tenham a oportunidade de prosperar”, diz Nota.

Portanto, saia do computador mais cedo, desligue o smartphone e deixe seu trabalho de lado. Não poderíamos pensar em uma desculpa melhor para dar algumas piscadinhas extras do que nos preocupar menos.


Este ajuste do sono pode ajudá-lo a se preocupar menos

Você é um preocupante crônico? A hora em que você vai dormir e a quantidade de sono que você está recebendo no geral podem exacerbar sua ansiedade, de acordo com um novo estudo publicado na revista Terapia Cognitiva e Pesquisa.

A grande notícia aqui? Ajustando seus hábitos de sono, você pode realmente ajudar a se preocupar menos. Sério.

Pesquisadores da Binghamton University, em Nova York, usaram os resultados de questionários e duas tarefas computadorizadas de um grupo de 100 jovens adultos para medir a quantidade de sono, bem como o quanto cada um dos participantes fala sobre medo e preocupação.

Depois de analisar os dados transversais, eles descobriram que as pessoas que dormem por períodos mais curtos e vão para a cama mais tarde têm maiores níveis de preocupação, ruminação e obsessão, os três fatores que contribuem para um processo denominado "pensamento negativo repetitivo".

Além disso, o estudo descobriu que aqueles que se classificam como um "tipo noturno" - o que significa que tendem a ficar acordados até mais tarde, moldando suas atividades diárias em torno de comportamentos noturnos - são mais propensos a relatar pensamentos negativos repetitivos do que aqueles que se inscrevem no programa matinal regimes diários centrados ou não aderem aos horários matinais ou noturnos.

Coautor do estudo Jacob Nota, um Ph.D. em psicologia clínica. candidato em Binghamton, diz que os cientistas ainda não têm certeza de como essas variáveis ​​estão conectadas. No entanto, aqueles afetados por transtornos de humor e ansiedade freqüentemente relatam pensamentos negativos repetitivos.

O sono pode ser uma forma de esclarecimento e regulação do pensamento.

“Sabemos que dormir o suficiente é importante para o funcionamento emocional e cognitivo”, disse ele ao Yahoo Health. “A pesquisa mostrou que enquanto você está dormindo, seu cérebro trabalha duro construindo e refinando conexões, integrando memórias e emoções e preparando você para o dia seguinte.”

Por que os que dormem tarde têm mais pensamentos negativos do que os que acordam pela manhã? “Em qualquer período de 24 horas, seu corpo o prepara para muitas tarefas diferentes, como prestar atenção, resolver problemas e regular as emoções”, diz Nota. “Você se sairá melhor se fizer essas tarefas durante o tempo em que seu corpo estiver preparado para elas.”

Quando se trata de tarefas de cronometragem, seu corpo funciona em seu próprio relógio.

Ritmos circadianos, alguém? Se você se recusar a operar de acordo com a linha do tempo do seu corpo, você pode ter um rude despertar. Literalmente.

“Por exemplo, sabemos que a maioria das pessoas consegue focar melhor sua atenção poucas horas após acordar”, diz Nota. “Parece que os processos cognitivos de alto nível, como a capacidade de inibir pensamentos e imagens, podem diminuir com o passar do dia. Portanto, os indivíduos que vão para a cama mais tarde podem estar mais propensos a experimentar esses pensamentos negativos repetitivos e ter problemas para descartá-los. ”

Existem maneiras de controlar sua mente e hábitos de sono.

Para alguns que realmente não conseguem desligar suas mentes (ou descansar muito), Nota diz que a terapia cognitivo-comportamental tem sido eficaz na redução do pensamento negativo repetitivo. A cronoterapêutica também é uma opção, que visa melhorar o sono por meio da exposição à luz, melatonina e outras técnicas de intervenção levando em consideração os ritmos circadianos naturais da pessoa.

Para a maioria, hacks simples em casa para dormir mais e se preocupar menos podem ser tudo de que você precisa.

“Pode ser útil criar uma rotina ao redor da cama e acordar que seja mantida regularmente e projetada para ser relaxante”, diz Nota. “Certifique-se também de que o seu espaço de dormir é propício para dormir - escuro, uma temperatura confortável e usado apenas para este propósito.” E se você não estiver realmente pronto para dormir, faça outras atividades em lugares diferentes (leia-se: não em seu quarto).

Restringir suas horas de sono no início pode ser uma técnica útil para obter um descanso melhor a longo prazo. “Isso é para que você não fique apenas deitado na cama com a mente acelerada e pensamentos preocupados”, diz Nota. Conforme você se cansa mais cedo com menos sono, pode aumentar progressivamente a quantidade de tempo que passa na cama todas as noites.

No geral, diz Nota, as pessoas precisam pensar sobre o sono de forma mais completa. “Não se trata apenas de quanto você recebe, quando você recebe também importa”, explica ele.

Se você não está realmente descansando à noite, está se vendendo.

“Nossas necessidades básicas - como comida, abrigo e sono - devem ser atendidas para que os indivíduos tenham a oportunidade de prosperar”, diz Nota.

Portanto, saia do computador mais cedo, desligue o smartphone e deixe seu trabalho de lado. Não poderíamos pensar em uma desculpa melhor para dar algumas piscadinhas extras do que nos preocupar menos.


Este ajuste do sono pode ajudá-lo a se preocupar menos

Você é um preocupante crônico? A hora em que você vai dormir e a quantidade de sono que você está recebendo no geral podem exacerbar sua ansiedade, de acordo com um novo estudo publicado na revista Terapia Cognitiva e Pesquisa.

A grande notícia aqui? Ajustando seus hábitos de sono, você pode realmente ajudar a se preocupar menos. Sério.

Pesquisadores da Binghamton University, em Nova York, usaram os resultados de questionários e duas tarefas computadorizadas de um grupo de 100 jovens adultos para medir a quantidade de sono, bem como o quanto cada um dos participantes fala sobre medo e preocupação.

Depois de analisar os dados transversais, eles descobriram que as pessoas que dormem por períodos mais curtos e vão para a cama mais tarde têm maiores níveis de preocupação, ruminação e obsessão, os três fatores que contribuem para um processo denominado "pensamento negativo repetitivo".

Além disso, o estudo descobriu que aqueles que se classificam como um "tipo noturno" - o que significa que tendem a ficar acordados até mais tarde, moldando suas atividades diárias em torno de comportamentos noturnos - são mais propensos a relatar pensamentos negativos repetitivos do que aqueles que se inscrevem no programa matinal regimes diários centrados ou não aderem aos horários matinais ou noturnos.

Coautor do estudo Jacob Nota, um Ph.D. em psicologia clínica. candidato em Binghamton, diz que os cientistas ainda não têm certeza de como essas variáveis ​​estão conectadas. No entanto, aqueles afetados por transtornos de humor e ansiedade freqüentemente relatam pensamentos negativos repetitivos.

O sono pode ser uma forma de esclarecimento e regulação do pensamento.

“Sabemos que dormir o suficiente é importante para o funcionamento emocional e cognitivo”, disse ele ao Yahoo Health. “A pesquisa mostrou que enquanto você está dormindo, seu cérebro trabalha duro construindo e refinando conexões, integrando memórias e emoções e preparando você para o dia seguinte.”

Por que os que dormem tarde têm mais pensamentos negativos do que os que acordam pela manhã? “Em qualquer período de 24 horas, seu corpo o prepara para muitas tarefas diferentes, como prestar atenção, resolver problemas e regular as emoções”, diz Nota. “Você se sairá melhor se fizer essas tarefas durante o tempo em que seu corpo estiver preparado para elas.”

Quando se trata de tarefas de cronometragem, seu corpo funciona em seu próprio relógio.

Ritmos circadianos, alguém? Se você se recusar a operar de acordo com a linha do tempo do seu corpo, você pode ter um rude despertar. Literalmente.

“Por exemplo, sabemos que a maioria das pessoas consegue focar melhor sua atenção poucas horas após acordar”, diz Nota. “Parece que os processos cognitivos de alto nível, como a capacidade de inibir pensamentos e imagens, podem diminuir com o passar do dia. Portanto, os indivíduos que vão para a cama mais tarde podem estar mais propensos a experimentar esses pensamentos negativos repetitivos e ter problemas para descartá-los. ”

Existem maneiras de controlar sua mente e hábitos de sono.

Para alguns que realmente não conseguem desligar suas mentes (ou descansar muito), Nota diz que a terapia cognitivo-comportamental tem sido eficaz na redução do pensamento negativo repetitivo. A cronoterapêutica também é uma opção, que visa melhorar o sono por meio da exposição à luz, melatonina e outras técnicas de intervenção levando em consideração os ritmos circadianos naturais da pessoa.

Para a maioria, hacks simples em casa para dormir mais e se preocupar menos podem ser tudo de que você precisa.

“Pode ser útil criar uma rotina ao redor da cama e acordar que seja mantida regularmente e projetada para ser relaxante”, diz Nota. “Certifique-se também de que o seu espaço de dormir é propício para dormir - escuro, uma temperatura confortável e usado apenas para este propósito.” E se você não estiver realmente pronto para dormir, faça outras atividades em lugares diferentes (leia-se: não em seu quarto).

Restringir suas horas de sono no início pode ser uma técnica útil para obter um descanso melhor a longo prazo. “Isso é para que você não fique apenas deitado na cama com a mente acelerada e pensamentos preocupados”, diz Nota. Conforme você se cansa mais cedo com menos sono, pode aumentar progressivamente a quantidade de tempo que passa na cama todas as noites.

No geral, diz Nota, as pessoas precisam pensar sobre o sono de forma mais completa. “Não se trata apenas de quanto você recebe, quando você recebe também importa”, explica ele.

Se você não está realmente descansando à noite, está se vendendo.

“Nossas necessidades básicas - como comida, abrigo e sono - devem ser atendidas para que os indivíduos tenham a oportunidade de prosperar”, diz Nota.

Portanto, saia do computador mais cedo, desligue o smartphone e deixe seu trabalho de lado. Não poderíamos pensar em uma desculpa melhor para dar algumas piscadinhas extras do que nos preocupar menos.


Este ajuste do sono pode ajudá-lo a se preocupar menos

Você é um preocupado crônico? A hora em que você vai dormir e a quantidade de sono que você está recebendo no geral podem exacerbar sua ansiedade, de acordo com um novo estudo publicado na revista Terapia Cognitiva e Pesquisa.

A grande notícia aqui? Ajustando seus hábitos de sono, você pode realmente ajudar a se preocupar menos. Sério.

Pesquisadores da Binghamton University, em Nova York, usaram os resultados de questionários e duas tarefas computadorizadas de um grupo de 100 jovens adultos para medir a quantidade de sono, bem como o quanto cada um dos participantes fala sobre medo e preocupação.

Depois de analisar os dados transversais, eles descobriram que pessoas que dormem por períodos mais curtos e vão para a cama mais tarde têm maiores níveis de preocupação, ruminação e obsessão, os três fatores que contribuem para um processo denominado "pensamento negativo repetitivo".

Além disso, o estudo descobriu que aqueles que se classificam como um "tipo noturno" - o que significa que tendem a ficar acordados até mais tarde, moldando suas atividades diárias em torno de comportamentos noturnos - são mais propensos a relatar pensamentos negativos repetitivos do que aqueles que se inscrevem no programa matinal regimes diários centrados ou não aderem aos horários matinais ou noturnos.

Coautor do estudo Jacob Nota, um Ph.D. em psicologia clínica. candidato em Binghamton, diz que os cientistas ainda não têm certeza de como essas variáveis ​​estão conectadas. No entanto, aqueles afetados por transtornos de humor e ansiedade freqüentemente relatam pensamentos negativos repetitivos.

O sono pode ser uma forma de esclarecimento e regulação do pensamento.

“Sabemos que dormir o suficiente é importante para o funcionamento emocional e cognitivo”, disse ele ao Yahoo Health. “A pesquisa mostrou que enquanto você está dormindo, seu cérebro trabalha duro construindo e refinando conexões, integrando memórias e emoções e preparando você para o dia seguinte.”

Por que os que dormem tarde têm mais pensamentos negativos do que os que acordam pela manhã? “Em qualquer período de 24 horas, seu corpo o prepara para muitas tarefas diferentes, como prestar atenção, resolver problemas e regular as emoções”, diz Nota. “Você se sairá melhor se fizer essas tarefas durante o tempo em que seu corpo estiver preparado para elas.”

Quando se trata de tarefas de cronometragem, seu corpo funciona em seu próprio relógio.

Ritmos circadianos, alguém? Se você se recusar a operar de acordo com a linha do tempo de seu corpo, você pode ter um rude despertar. Literalmente.

“Por exemplo, sabemos que a maioria das pessoas consegue focar melhor sua atenção poucas horas após acordar”, diz Nota. “Parece que os processos cognitivos de alto nível, como a capacidade de inibir pensamentos e imagens, podem diminuir com o passar do dia. Portanto, os indivíduos que vão para a cama mais tarde podem estar mais propensos a experimentar esses pensamentos negativos repetitivos e ter problemas para descartá-los. ”

Existem maneiras de controlar sua mente e hábitos de sono.

Para alguns que realmente não conseguem desligar suas mentes (ou descansar muito), Nota diz que a terapia cognitivo-comportamental tem sido eficaz na redução do pensamento negativo repetitivo. A cronoterapêutica também é uma opção, que visa melhorar o sono por meio da exposição à luz, melatonina e outras técnicas de intervenção levando em consideração os ritmos circadianos naturais da pessoa.

Para a maioria, hacks simples em casa para dormir mais e se preocupar menos podem ser tudo de que você precisa.

“Pode ser útil criar uma rotina ao redor da cama e acordar que seja mantida regularmente e projetada para ser relaxante”, diz Nota. “Certifique-se também de que o seu espaço de dormir é propício para dormir - escuro, uma temperatura confortável e usado apenas para este propósito.” E se você não estiver realmente pronto para dormir, faça outras atividades em lugares diferentes (leia-se: não em seu quarto).

Restringir suas horas de sono no início pode ser uma técnica útil para obter um descanso melhor a longo prazo. “Isso é para que você não fique apenas deitado na cama com a mente acelerada e pensamentos preocupados”, diz Nota. Conforme você se cansa mais cedo com menos sono, pode aumentar progressivamente a quantidade de tempo que passa na cama todas as noites.

No geral, diz Nota, as pessoas precisam pensar sobre o sono de forma mais completa. “Não se trata apenas de quanto você recebe, quando você recebe também importa”, explica ele.

Se você não está realmente descansando à noite, está se vendendo.

“Nossas necessidades básicas - como comida, abrigo e sono - devem ser atendidas para que os indivíduos tenham a oportunidade de prosperar”, diz Nota.

Portanto, saia do computador mais cedo, desligue o smartphone e deixe o trabalho de lado. Não poderíamos pensar em uma desculpa melhor para dar algumas piscadinhas extras do que nos preocupar menos.


Este ajuste do sono pode ajudá-lo a se preocupar menos

Você é um preocupante crônico? A hora em que você vai dormir e a quantidade de sono que você está recebendo no geral podem exacerbar sua ansiedade, de acordo com um novo estudo publicado na revista Terapia Cognitiva e Pesquisa.

A grande notícia aqui? Ajustando seus hábitos de sono, você pode realmente ajudar a se preocupar menos. Sério.

Pesquisadores da Binghamton University, em Nova York, usaram os resultados de questionários e duas tarefas computadorizadas de um grupo de 100 jovens adultos para medir a quantidade de sono, bem como o quanto cada um dos participantes fala sobre medo e preocupação.

Depois de analisar os dados transversais, eles descobriram que as pessoas que dormem por períodos mais curtos e vão para a cama mais tarde têm maiores níveis de preocupação, ruminação e obsessão, os três fatores que contribuem para um processo denominado "pensamento negativo repetitivo".

Além disso, o estudo descobriu que aqueles que se classificam como um "tipo noturno" - o que significa que tendem a ficar acordados até mais tarde, moldando suas atividades diárias em torno de comportamentos noturnos - são mais propensos a relatar pensamentos negativos repetitivos do que aqueles que se inscrevem no programa matinal regimes diários centrados ou não aderem aos horários matinais ou noturnos.

Coautor do estudo Jacob Nota, um Ph.D. em psicologia clínica. candidato em Binghamton, diz que os cientistas ainda não têm certeza de como essas variáveis ​​estão conectadas. No entanto, aqueles afetados por transtornos de humor e ansiedade freqüentemente relatam pensamentos negativos repetitivos.

O sono pode ser uma forma de esclarecimento e regulação do pensamento.

“Sabemos que dormir o suficiente é importante para o funcionamento emocional e cognitivo”, disse ele ao Yahoo Health. “A pesquisa mostrou que enquanto você está dormindo, seu cérebro trabalha duro construindo e refinando conexões, integrando memórias e emoções e preparando você para o dia seguinte.”

Por que os que dormem tarde têm mais pensamentos negativos do que os que acordam pela manhã? “Em qualquer período de 24 horas, seu corpo o prepara para muitas tarefas diferentes, como prestar atenção, resolver problemas e regular as emoções”, diz Nota. “Você se sairá melhor se fizer essas tarefas durante o tempo em que seu corpo estiver preparado para elas.”

Quando se trata de tarefas de cronometragem, seu corpo funciona em seu próprio relógio.

Ritmos circadianos, alguém? Se você se recusar a operar de acordo com a linha do tempo de seu corpo, você pode ter um rude despertar. Literalmente.

“Por exemplo, sabemos que a maioria das pessoas consegue focar melhor sua atenção poucas horas após acordar”, diz Nota. “Parece que os processos cognitivos de alto nível, como a capacidade de inibir pensamentos e imagens, podem diminuir com o passar do dia. Portanto, os indivíduos que vão para a cama mais tarde podem estar mais propensos a experimentar esses pensamentos negativos repetitivos e ter problemas para descartá-los. ”

Existem maneiras de controlar sua mente e hábitos de sono.

Para alguns que realmente não conseguem desligar suas mentes (ou descansar muito), Nota diz que a terapia cognitivo-comportamental tem sido eficaz na redução do pensamento negativo repetitivo. A cronoterapêutica também é uma opção, que visa melhorar o sono por meio da exposição à luz, melatonina e outras técnicas de intervenção levando em consideração os ritmos circadianos naturais da pessoa.

Para a maioria, hacks simples em casa para dormir mais e se preocupar menos podem ser tudo de que você precisa.

“Pode ser útil criar uma rotina ao redor da cama e acordar que seja mantida regularmente e projetada para ser relaxante”, diz Nota. “Certifique-se também de que o seu espaço de dormir é propício para dormir - escuro, uma temperatura confortável e usado apenas para este propósito.” E se você não estiver realmente pronto para dormir, faça outras atividades em lugares diferentes (leia-se: não em seu quarto).

Restringir suas horas de sono no início pode ser uma técnica útil para obter um descanso melhor a longo prazo. “Isso é para que você não fique apenas deitado na cama com a mente acelerada e pensamentos preocupados”, diz Nota. Conforme você se cansa mais cedo com menos sono, pode aumentar progressivamente a quantidade de tempo que passa na cama todas as noites.

No geral, diz Nota, as pessoas precisam pensar sobre o sono de forma mais completa. “Não se trata apenas de quanto você recebe, quando você recebe também importa”, explica ele.

Se você não está realmente descansando à noite, está se vendendo.

“Nossas necessidades básicas - como comida, abrigo e sono - devem ser atendidas para que os indivíduos tenham a oportunidade de prosperar”, diz Nota.

Portanto, saia do computador mais cedo, desligue o smartphone e deixe seu trabalho de lado. Não poderíamos pensar em uma desculpa melhor para dar algumas piscadinhas extras do que nos preocupar menos.


Este ajuste do sono pode ajudá-lo a se preocupar menos

Você é um preocupado crônico? The hour you’re going to sleep, and how much sleep you’re getting overall, may exacerbate your anxiety, according to a new study published in the journal Cognitive Therapy and Research.

The great news here? By tweaking your sleep habits you could actually help yourself worry less. Really.

Researchers from Binghamton University in New York used the results of questionnaires and two computerized tasks from a group of 100 young adults to measure sleep amounts, as well as how much each of the participants talk about fear and fret.

After analyzing the cross-sectional data, they found that people who sleep for shorter amounts of time and go to bed later have greater levels of worry, rumination, and obsessing, the three factors that contribute to a process called “repetitive negative thinking.”

Additionally, the study found that those who classify themselves as an “evening type” — meaning they tend to stay up later, shaping their daily activities around night-owl behaviors — are more likely to report repetitive negative thinking than those who subscribe to morning-centered daily regimens or don’t adhere to either morning or evening schedules.

Study co-author Jacob Nota, a clinical psychology Ph.D. candidate at Binghamton, says scientists aren’t yet exactly sure how these variables are connected. However, those affected by mood and anxiety disorders frequently report repetitive negative thoughts.

Sleep may be a form of thought clarification and regulation.

“We do know that getting enough sleep is important for emotional and cognitive functioning,” he tells Yahoo Health. “Research has shown that while you’re sleeping, your brain is hard at work building and refining connections, integrating memories and emotions, and preparing you for the next day.”

As to why late-sleepers have more negative thoughts than morning-risers? “Within any 24-hour period your body prepares you for many different tasks, like paying attention, solving problems, and regulating emotions,” Nota says. “You’ll do best if you do these tasks during the time your body is prepared for them.”

When it comes to timing tasks, your body functions on its own clock.

Circadian rhythms, anyone? If you refuse to operate by your body’s timeline, you may be in for a rude awakening. Literally.

“For example, we know that most people are best able to focus their attention in the few hours following waking up,” Nota says. “It seems that high-level cognitive processes, like the ability to inhibit thoughts and images, may be diminished as the day goes on. Therefore, individuals who go to bed later may be more prone to experience these repetitive negative thoughts and have trouble dismissing them.”

There are ways to control your mind and sleeping habits.

For some who truly can’t shut off their minds (or get much rest at all), Nota says cognitive-behavioral therapy has been effective in reducing repetitive negative thinking. Chronotherapeutics are also an option, which are aimed to improve sleep through light exposure, melatonin and other interventional techniques taking into account a person’s natural circadian rhythms.

For most, simple at-home hacks to sleep more and worry less might be all you need.

“It may be helpful to build a routine around bed and wake times that is kept regularly and designed to be relaxing,” says Nota. “Also make sure your sleeping space is conducive to sleep — dark, a comfortable temperature, and only used being for this purposes.” And if you’re not actually ready to go to sleep, do other activities in different places (read: not your bedroom).

Restricting your hours of sleep at first might be a useful technique to get better rest in the long run. “This is so you’re not just lying in bed with mind racing and worried thoughts,” says Nota. As you tire earlier with less sleep, you can progressively increase the amount of time you’re in bed each night.

Overall, Nota says, people need to think about sleep more completely. “It’s not just about how much you get, when you get it matters too,” he explains.

If you’re not actually resting at night, you’re selling yourself short.

“Our basic needs — like food, shelter and sleep — have to be met in order for individuals to have the opportunity to thrive,” Nota says.

So get off the computer earlier, shut off your smartphone and put your away your work. We couldn’t think of a better excuse for catching a few extra winks than worrying less.


This Sleep Tweak Could Help You Worry Less

Are you a chronic worrier? The hour you’re going to sleep, and how much sleep you’re getting overall, may exacerbate your anxiety, according to a new study published in the journal Cognitive Therapy and Research.

The great news here? By tweaking your sleep habits you could actually help yourself worry less. Really.

Researchers from Binghamton University in New York used the results of questionnaires and two computerized tasks from a group of 100 young adults to measure sleep amounts, as well as how much each of the participants talk about fear and fret.

After analyzing the cross-sectional data, they found that people who sleep for shorter amounts of time and go to bed later have greater levels of worry, rumination, and obsessing, the three factors that contribute to a process called “repetitive negative thinking.”

Additionally, the study found that those who classify themselves as an “evening type” — meaning they tend to stay up later, shaping their daily activities around night-owl behaviors — are more likely to report repetitive negative thinking than those who subscribe to morning-centered daily regimens or don’t adhere to either morning or evening schedules.

Study co-author Jacob Nota, a clinical psychology Ph.D. candidate at Binghamton, says scientists aren’t yet exactly sure how these variables are connected. However, those affected by mood and anxiety disorders frequently report repetitive negative thoughts.

Sleep may be a form of thought clarification and regulation.

“We do know that getting enough sleep is important for emotional and cognitive functioning,” he tells Yahoo Health. “Research has shown that while you’re sleeping, your brain is hard at work building and refining connections, integrating memories and emotions, and preparing you for the next day.”

As to why late-sleepers have more negative thoughts than morning-risers? “Within any 24-hour period your body prepares you for many different tasks, like paying attention, solving problems, and regulating emotions,” Nota says. “You’ll do best if you do these tasks during the time your body is prepared for them.”

When it comes to timing tasks, your body functions on its own clock.

Circadian rhythms, anyone? If you refuse to operate by your body’s timeline, you may be in for a rude awakening. Literally.

“For example, we know that most people are best able to focus their attention in the few hours following waking up,” Nota says. “It seems that high-level cognitive processes, like the ability to inhibit thoughts and images, may be diminished as the day goes on. Therefore, individuals who go to bed later may be more prone to experience these repetitive negative thoughts and have trouble dismissing them.”

There are ways to control your mind and sleeping habits.

For some who truly can’t shut off their minds (or get much rest at all), Nota says cognitive-behavioral therapy has been effective in reducing repetitive negative thinking. Chronotherapeutics are also an option, which are aimed to improve sleep through light exposure, melatonin and other interventional techniques taking into account a person’s natural circadian rhythms.

For most, simple at-home hacks to sleep more and worry less might be all you need.

“It may be helpful to build a routine around bed and wake times that is kept regularly and designed to be relaxing,” says Nota. “Also make sure your sleeping space is conducive to sleep — dark, a comfortable temperature, and only used being for this purposes.” And if you’re not actually ready to go to sleep, do other activities in different places (read: not your bedroom).

Restricting your hours of sleep at first might be a useful technique to get better rest in the long run. “This is so you’re not just lying in bed with mind racing and worried thoughts,” says Nota. As you tire earlier with less sleep, you can progressively increase the amount of time you’re in bed each night.

Overall, Nota says, people need to think about sleep more completely. “It’s not just about how much you get, when you get it matters too,” he explains.

If you’re not actually resting at night, you’re selling yourself short.

“Our basic needs — like food, shelter and sleep — have to be met in order for individuals to have the opportunity to thrive,” Nota says.

So get off the computer earlier, shut off your smartphone and put your away your work. We couldn’t think of a better excuse for catching a few extra winks than worrying less.


This Sleep Tweak Could Help You Worry Less

Are you a chronic worrier? The hour you’re going to sleep, and how much sleep you’re getting overall, may exacerbate your anxiety, according to a new study published in the journal Cognitive Therapy and Research.

The great news here? By tweaking your sleep habits you could actually help yourself worry less. Really.

Researchers from Binghamton University in New York used the results of questionnaires and two computerized tasks from a group of 100 young adults to measure sleep amounts, as well as how much each of the participants talk about fear and fret.

After analyzing the cross-sectional data, they found that people who sleep for shorter amounts of time and go to bed later have greater levels of worry, rumination, and obsessing, the three factors that contribute to a process called “repetitive negative thinking.”

Additionally, the study found that those who classify themselves as an “evening type” — meaning they tend to stay up later, shaping their daily activities around night-owl behaviors — are more likely to report repetitive negative thinking than those who subscribe to morning-centered daily regimens or don’t adhere to either morning or evening schedules.

Study co-author Jacob Nota, a clinical psychology Ph.D. candidate at Binghamton, says scientists aren’t yet exactly sure how these variables are connected. However, those affected by mood and anxiety disorders frequently report repetitive negative thoughts.

Sleep may be a form of thought clarification and regulation.

“We do know that getting enough sleep is important for emotional and cognitive functioning,” he tells Yahoo Health. “Research has shown that while you’re sleeping, your brain is hard at work building and refining connections, integrating memories and emotions, and preparing you for the next day.”

As to why late-sleepers have more negative thoughts than morning-risers? “Within any 24-hour period your body prepares you for many different tasks, like paying attention, solving problems, and regulating emotions,” Nota says. “You’ll do best if you do these tasks during the time your body is prepared for them.”

When it comes to timing tasks, your body functions on its own clock.

Circadian rhythms, anyone? If you refuse to operate by your body’s timeline, you may be in for a rude awakening. Literally.

“For example, we know that most people are best able to focus their attention in the few hours following waking up,” Nota says. “It seems that high-level cognitive processes, like the ability to inhibit thoughts and images, may be diminished as the day goes on. Therefore, individuals who go to bed later may be more prone to experience these repetitive negative thoughts and have trouble dismissing them.”

There are ways to control your mind and sleeping habits.

For some who truly can’t shut off their minds (or get much rest at all), Nota says cognitive-behavioral therapy has been effective in reducing repetitive negative thinking. Chronotherapeutics are also an option, which are aimed to improve sleep through light exposure, melatonin and other interventional techniques taking into account a person’s natural circadian rhythms.

For most, simple at-home hacks to sleep more and worry less might be all you need.

“It may be helpful to build a routine around bed and wake times that is kept regularly and designed to be relaxing,” says Nota. “Also make sure your sleeping space is conducive to sleep — dark, a comfortable temperature, and only used being for this purposes.” And if you’re not actually ready to go to sleep, do other activities in different places (read: not your bedroom).

Restricting your hours of sleep at first might be a useful technique to get better rest in the long run. “This is so you’re not just lying in bed with mind racing and worried thoughts,” says Nota. As you tire earlier with less sleep, you can progressively increase the amount of time you’re in bed each night.

Overall, Nota says, people need to think about sleep more completely. “It’s not just about how much you get, when you get it matters too,” he explains.

If you’re not actually resting at night, you’re selling yourself short.

“Our basic needs — like food, shelter and sleep — have to be met in order for individuals to have the opportunity to thrive,” Nota says.

So get off the computer earlier, shut off your smartphone and put your away your work. We couldn’t think of a better excuse for catching a few extra winks than worrying less.


This Sleep Tweak Could Help You Worry Less

Are you a chronic worrier? The hour you’re going to sleep, and how much sleep you’re getting overall, may exacerbate your anxiety, according to a new study published in the journal Cognitive Therapy and Research.

The great news here? By tweaking your sleep habits you could actually help yourself worry less. Really.

Researchers from Binghamton University in New York used the results of questionnaires and two computerized tasks from a group of 100 young adults to measure sleep amounts, as well as how much each of the participants talk about fear and fret.

After analyzing the cross-sectional data, they found that people who sleep for shorter amounts of time and go to bed later have greater levels of worry, rumination, and obsessing, the three factors that contribute to a process called “repetitive negative thinking.”

Additionally, the study found that those who classify themselves as an “evening type” — meaning they tend to stay up later, shaping their daily activities around night-owl behaviors — are more likely to report repetitive negative thinking than those who subscribe to morning-centered daily regimens or don’t adhere to either morning or evening schedules.

Study co-author Jacob Nota, a clinical psychology Ph.D. candidate at Binghamton, says scientists aren’t yet exactly sure how these variables are connected. However, those affected by mood and anxiety disorders frequently report repetitive negative thoughts.

Sleep may be a form of thought clarification and regulation.

“We do know that getting enough sleep is important for emotional and cognitive functioning,” he tells Yahoo Health. “Research has shown that while you’re sleeping, your brain is hard at work building and refining connections, integrating memories and emotions, and preparing you for the next day.”

As to why late-sleepers have more negative thoughts than morning-risers? “Within any 24-hour period your body prepares you for many different tasks, like paying attention, solving problems, and regulating emotions,” Nota says. “You’ll do best if you do these tasks during the time your body is prepared for them.”

When it comes to timing tasks, your body functions on its own clock.

Circadian rhythms, anyone? If you refuse to operate by your body’s timeline, you may be in for a rude awakening. Literally.

“For example, we know that most people are best able to focus their attention in the few hours following waking up,” Nota says. “It seems that high-level cognitive processes, like the ability to inhibit thoughts and images, may be diminished as the day goes on. Therefore, individuals who go to bed later may be more prone to experience these repetitive negative thoughts and have trouble dismissing them.”

There are ways to control your mind and sleeping habits.

For some who truly can’t shut off their minds (or get much rest at all), Nota says cognitive-behavioral therapy has been effective in reducing repetitive negative thinking. Chronotherapeutics are also an option, which are aimed to improve sleep through light exposure, melatonin and other interventional techniques taking into account a person’s natural circadian rhythms.

For most, simple at-home hacks to sleep more and worry less might be all you need.

“It may be helpful to build a routine around bed and wake times that is kept regularly and designed to be relaxing,” says Nota. “Also make sure your sleeping space is conducive to sleep — dark, a comfortable temperature, and only used being for this purposes.” And if you’re not actually ready to go to sleep, do other activities in different places (read: not your bedroom).

Restricting your hours of sleep at first might be a useful technique to get better rest in the long run. “This is so you’re not just lying in bed with mind racing and worried thoughts,” says Nota. As you tire earlier with less sleep, you can progressively increase the amount of time you’re in bed each night.

Overall, Nota says, people need to think about sleep more completely. “It’s not just about how much you get, when you get it matters too,” he explains.

If you’re not actually resting at night, you’re selling yourself short.

“Our basic needs — like food, shelter and sleep — have to be met in order for individuals to have the opportunity to thrive,” Nota says.

So get off the computer earlier, shut off your smartphone and put your away your work. We couldn’t think of a better excuse for catching a few extra winks than worrying less.


Assista o vídeo: Chick-N-Bap. Binghamton University (Janeiro 2022).